quinta-feira, 14 de julho de 2011

LENDAS AFRO E BRASILEIRA "" A DANÇA DA OXUM""



LENDAS AFRO E BRASILEIRA "" A DANÇA DA OXUM""
Oxum , que antes gostava de vir à Terra brincar com as mulheres ,
dividindo com elas sua formosura e vaidade ,
 ensinando-lhes feitiços de adorável sedução e irresistível encanto ,
 recebeu de Olorum um novo encargo :
 preparar os mortais para receberem em seus corpos os orixás .
Oxum fez oferendas a Exu para propiciar sua delicada missão
 De seu sucesso dependia a alegria dos seus irmãos e amigos orixás.
 Veio ao Aiê e juntou as mulheres à sua volta,
banhou seus corpos com ervas preciosas,
 cortou seus cabelos, raspou suas cabeças,
pintou seus corpos.
O colo cobriu com voltas e voltas de coloridas contas
e múltiplas fieiras de búzios, cerâmicas e corais.
Na cabeça pôs um cone feito de manteiga de ori,
finas ervas e obi mascado,
com todo condimento de que gostam os orixás.
Esse oxo atrairia o orixá ao ori da iniciada e
o orixá não tinha como se enganar em seu retorno ao Aiê.
Finalmente as pequenas esposas estavam feitas,
estavam prontas, e estavam odara.
As iaôs eram a noivas mais bonitas
que a vaidade de Oxum conseguia imaginar.
Perante Obatalá , Ogum havia condenado a si mesmo
a trabalhar duro na forja para sempre .
Mas ele estava cansado da cidade e da sua profissão .
Queria voltar a viver na floresta ,
Voltar a ser o livre caçador que fora antes .
Ogum achava-se muito poderoso ,
Sentia que nenhum Orixá poderia obrigá-lo a fazer o que não quisesse .
Ogum estava cansado do trabalho de ferreiro e partiu para a floresta , abandonando tudo .
Logo que os Orixás souberam da fuga de Ogum ,
foram a seu encalço para convencê-lo a voltar à cidade e à forja ,
Pois ninguém podia ficar sem os artigos de ferro de Ogum ,
As armas , os utensílios , as ferramentas agrícolas .
Mas Ogum não ouvia ninguém , queria ficar no mato .
Simplesmente os enxotava da floresta com violência .
Todos lá foram , menos Xangô .
E como estava previsto , sem os ferros de Ogum ,
O mundo começou a ir mal .
Sem instrumentos para plantar , as colheitas escasseavam
E a humanidade já passava fome .
Foi quando uma bela e frágil jovem veio à assembléia dos Orixás
e ofereceu-se para convencer Ogum a voltar à forja .
Era Oxum a bela e jovem voluntária .
Os outros Orixás escarneceram dela . . .  , tão jovem , tão bela , tão frágil .
Ela seria escorraçada por Ogum
E até temiam por ela , pois Ogum era violento , poderia machucá-la , até matá-la .
Assim , Oxum entrou na mata .
E se aproximou do sítio onde Ogum costumava acampar .
Usava ela tão somente cinco lenços transparentes
Presos a cintura em laços , como esvoaçante saia .
Os cabelos soltos , os pés descalços ,
Oxum dançava como o vento
E seu corpo desprendia um perfume arrebatador .
Ogum foi imediatamente atraído ,
Irremediavelmente conquistado pela visão maravilhosa , mas se manteve distante .

Ficou à espreita atrás dos arbustos , absorto .
De lá admirava Oxum , embevecido .
Oxum o via , mas fazia de conta que não .
O tempo todo ela dançava e se aproximava dele
Mas fingia sempre que não dera por sua presença .
A dança e o vento faziam flutuar os cinco lenços da cintura ,
Deixando ver por segundos a carne irresistível de Oxum .
Ela dançava , enlouquecia .
Dele se aproximava e com seus dedos sedutores
Lambuzava de mel os lábios de Ogum .
Ele estava como que em transe .
E ela o atraía para si e ia caminhando pela mata ,
Sutilmente tomando a direção da cidade .
Mais dançava , mais mel , mais sedução ,
Ogum não se dava conta do estratagema da dançarina .
Ela ia na frente , ele a acompanhava inebriado ,
Louco de tesão .
Quando Ogum se deu conta ,
Eis que se encontravam ambos na praça da cidade .
Os Orixás todos estavam lá
E aclamavam o casal em sua dança de amor .
Ogum estava na cidade , Ogum voltara !
Temendo ser tomado como fraco ,
Enganado pela sedução de uma mulher bonita ,
Ogum deu a entender que voltara por gosto e por vontade própria .
E nunca mais abandonaria a cidade .
E nunca mais abandonaria a sua forja .
E os Orixás aplaudiam e aplaudiam a dança de Oxum .
Ogum voltou à forja e os homens voltaram a usar seus utensílios
E houve plantações e colheitas
E a fartura baniu a fome e espantou a morte .
Os rios, em quase todas as mitologias, são moradas de deuses ou a própria divindade. O rio é um caminho mágico.
Na Europa, os deuses fluviais mais comuns aparecem com a forma de touro, porco, cavalo ou serpente.
Os africanos de Iorubá, bem mais poéticos, fizeram de lindas mulheres as deusas dos seus rios, como o Oiá (Niger) e o Oxum.
Oxum é adorada  às margens do rio que tem o seu nome e deságua na lagoa de Olobá, rente ao golfo de Guiné, após atravessar o território de Ijexá.
Por esse motivo, o toque dos atabaques, que acompanha sua dança no candomblé, é denominado ijexá.
A dança de Oxum é mímica da mulher faceira, que se embeleza e atavia, exibindo com orgulho colares e pulseiras tilintantes.
 Diante do espelho, sorri, vaidosa e feliz, por se ver tão linda e sedutora.
 E é com muito dengue que ela se abana com o abebé.
Essa doçura de encanto feminino, porém, não revela a deusa por inteiro.
Pois ela é também guerreira intrépida e lutadora pertinaz.


Oxun-Apará foi mulher de Ogum .


Ela acionava com ritmo o fole da forja do deus-ferreiro e a cadência do ruído do fole fez dançar um egungun que passava .
Por isso disseram que ela era a  ”  tocadora do fole musical que faz dançarem os egunguns . “
Muitas Oxuns são guerreiras ; outras , ligadas à magia .
Das iyabás , isto é , os orixás femininos , só OXUN tem o direito de penetrar no reino de Ifá , o senhor da adivinhação : ela pode jogar o edilogun , os dezesseis búzios divinatórios de Exu .
Quando voltaram à terra , os Orixás organizaram suas assembleias como primado dos homens .
 Oxum , mulher , não foi convidada .
 Mas logo todas as mulheres se tornaram estéreis e as decisões tomadas nas reuniões dos orixás jamais tinham êxito .
 Tudo só voltou ao normal quando Oxum também foi convidada a integrar a assembléia dos orixás .
 Pois Oxum , orixá das águas, é uma deusa da fecundidade e , portanto , da criação .
 As mulheres a ela recorrem , quando desejam ter filhos .
 Oxum ajuda nos partos , como a Artemis Lokeía .
Orixá da fecundidade , revive as deusas lunares de várias mitologias , que simbolizam a terra-mãe .
 Nada mais lógico do que esse atributo , pois , sendo o orixá da água doce , sem Oxum não existiriam os vegetais .
 Tudo morreria . Pois são os cursos d’água que irrigam e fertilizam a terra , renovando e perpetuando a vida .






Nenhum comentário: